Casais de Natal festejam casamento facilitado pelo programa Justiça na Praça

O clima era de festa na Praça André de Albuquerque para comemorar os 124 anos de criação do Tribunal de Justiça. E foi nesse clima que os 200 casais regularmente inscritos para participar da edição especial do programa Justiça na Praça aguardavam ansiosos a celebração do seu casamento. Era o caso da noiva Vânia Neide, de 56 anos. Ao lado do seu noivo, Emanuel da Rocha Alves, 66 anos, ela não escondia a ansiedade para oficializar os 39 anos de união estável, que resultou em dois filhos já casados e três netos, dois meninos e uma menina.

“Eu sempre tive o sonho de casar, mas como não tinha condições eu sempre adiava este sonho e o via muito distante. Então, o pessoal do 4º Cartório disse pra gente que ia ter este casamento e nós aproveitamos. Então, eu achei ótimo porque senão eu não tinha casado ainda”, comemorou Vânia Neide, ao assinar o livro de registro de uma das bancas montadas pelos cartórios parceiros do TJRN.

Os casais participantes se inscreveram previamente junto a quatro cartórios de Natal: Cartório Único da Redinha; 5º Ofício de Notas, do Alecrim; Cartório Único de Igapó; e 4º Ofício de Notas, de Cidade Jardim.

Anderson Fagundes, 35, e Milane Daniele, 34, também não escondiam a felicidade com o casamento. Ele, que trabalha com móveis planejados, e ela, que é manicure, estão juntos há 16 anos, relação que resultou em dois filhos, um rapaz de 14 anos e um garotinho de sete anos. Para Anderson, o evento foi uma oportunidade ímpar.
“Esse casamento nos proporciona uma conveniência muito grande, além de ser também um exercício de cidadania, já que muitas pessoas não têm os recursos necessários para casar. Então considero esse serviço que a Justiça nos presta muito bom. O Tribunal de Justiça está de parabéns”, parabenizou.
Já o auxiliar de cozinha Mateus Nascimento da Silva, 19, e a dona de casa Mayara Ferreira, 20, apesar de jovens, também eram só felicidade com o matrimônio. Eles namoraram por quatro anos e estavam vivendo em união estável há um ano. Eles e mais 20 casais foram estimulados a casarem pela da igreja que frequentam. “Essa é uma oportunidade maravilhosa, porque assim podemos regularizar a nossa situação dentro da lei”, opinou Mateus.

Wilemberg Fonseca, 26, e Juliana Carneiro, 27, também moram juntos há quatro anos e têm dois filhos, um menino e uma menina. Eles foram informados pelo Cartório Único de Igapó sobre a realização do casamento comunitário no mês de julho deste ano e se inscreveram para participar.
“Estou adorando a oportunidade de casar de forma gratuita. É muito importante um evento como este já que pode ser realizado vários casamentos de uma só vez, o que beneficia inúmeras pessoas carentes”, comentou Juliana.

TJRN