Estupro: A culpa nunca é da vítima!

Nova pesquisa do Datafolha confirmou o que já sabíamos mas não queríamos escutar: a cultura do estupro está extremamente enraizada no Brasil. O instituto apontou que ⅓ dos brasileiros culpa a vítima por estupro.

Os números impressionam… 30% das pessoas está de acordo com a frase “A mulher que usa roupas provocativas não pode reclamar se for estuprada”; e 37% acredita que “Mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”. O percentual de concordância é menor entre pessoas do sexo feminino, mas ainda é alarmante, 32% das mulheres concorda com a última frase.

Outro fator de diminuição dos números é a escolaridade. São 16% das pessoas com Ensino superior que culpabilizam a vítima, contra 41% dos que tem apenas o Ensino Fundamental completo. Pessoas que moram em cidades maiores também concordam menos com isso do que as habitantes de municípios com menos de 50 mil pessoas.

Apesar de tantas pessoas aceitarem e justificarem o estupro com atitudes da mulher, a grande maioria delas teme ser vítima dessa violência. A pesquisa apontou que 67% dos brasileiros têm medo de ser estuprado. Entre as mulheres, esse número é ainda maior: 85%.

Além disso, 53% dos brasileiros acreditam que o estuprador é protegido pelas leis brasileiras. Apesar disso, a Drª Regina Beatriz Tavares da Silva, especialista em direito da família e presidente da Associação de Direito à Família e Sucessões, explica que os agressores sexuais estão sujeitos a sanção penal (prisão) e civil (indenização à vítima) pela legislação brasileira. Porém, em alguns casos, o julgamento e o atendimento às vítimas é enviezado devido ao pensamento machista de culpabilizar a mulher pelo estupro, como apontam as pesquisas. Para Drª Regina Beatriz, “não pode haver qualquer influência desse equivocado pensamento nos julgamentos, que devem ser proferidos de maneira isenta e na conformidade da lei e não de pensamentos absurdos e retrógrados”.

A cada 11 minutos, 1 mulher é estuprada no Brasil. Os dados do Datafolha explicam porque esse número é tão alto. Culpar a vítima é não punir o agressor, é tornar a violência sexual algo socialmente aceito, é o machismo a seu extremo. Precisamos de mais informação, mais educação e mais feminismo para curar nossa sociedade dessa cultura do estupro! “É a partir da educação que acabarão de vez as ideias de que os homens têm seus direitos mais preservados do que as mulheres, ideias essas que não têm qualquer apoio no ordenamento jurídico, mas que ainda lastimavelmente persistem na mentalidade de alguns brasileiros, especialmente daqueles que não tiveram a oportunidade de receber adequada formação educacional”, disse a Drª Regina Beatriz.