Juíza de MT palestra em congresso sobre alienação parental

O teatro Juarez Machado foi palco do 1º Congresso Sul Brasileiro de Debate sobre a Síndrome da Alienação Parental, que ocorreu nos dias 5 e 6 de agosto, em Joinville (SC). O evento de grande abrangência nacional contou com uma representante de Mato Grosso, a juíza da Terceira Vara Especializada de Família e Sucessões de Várzea Grande, Jaqueline Cherulli, que abordou o tema ‘Filhos reféns: um enfoque preventivo sobre a alienação parental’.

Durante a palestra, a magistrada destacou que é imprescindível discutir sobre o assunto, já que a Síndrome da Alienação Parental (SAP) destroi vidas. “Demonstrei a todos como uma vida pode ser impactada pela alienação quando apresentei um vídeo com depoimentos de pessoas que sofreram na pele o problema, material produzido pelo Tribunal de Justiça mato-grossense. E a resposta dada a essa questão, por meio do trabalho que é feito pelo Poder Judiciário no Estado”.

O grupo, formado por profissionais de diversos segmentos, teve a oportunidade de trocar experiências e estudar casos afetos à SAP. “Esse compartilhamento de casos e a percepção dos prejuízos da alienação parental são de suma relevância para o combate ao problema. Dentre os momentos ricos do evento está a realização de constelação familiar feita no palco e que contou com a participação da plateia”.
A encenação da peça teatral ‘Dividindo Eu’ foi outro ponto forte do congresso, segundo Cherulli. “Foi muito ilustrativa e tocante a apresentação artística. O ator mostrou como é viver a síndrome, a luta da pessoa que vivencia a situação e como romper com esse ciclo”.

Durante os dois dias de evento foram tratados enunciados afetos à alienação parental como: ‘Bioética humana’, ‘O afeto nas relações pais e filhos: força e danos’, ‘O papel do advogado brasileiro e a guarda compartilhada’, ‘Alienação parental e incesto’, ‘Como a escola deveria lidar com os filhos de casais separados’, ‘Como descobrir e resinificar a sua vida após conviver com a SAP’ e ‘Alienação parental no novo CPC: procedimentos e alternativas’.

Folha Max

Data de Publicação:12/08/2016